WCCA – 19 a 22 de abril de 2015

WCCA – 19 a 22 de abril de 2015

Publicado em 03/01/2016

O TRAMAD esteve presente no WCCA 2015 – VIII World Congress on Comunication and Arts (VIII Congresso Mundial em Comunicação e Artes), relazido na UNEB. Durante o evento, cujo tema foi Communication and Arts as Structuring Elements of Wellbeing and Social Justice (Comunicação e Artes como Elementos Estruturantes do Bem-estar e Justiça Social) Sandra Farias ministrou workshop intitulado “Acessibilidade e Inclusão nas Artes”. Confira aqui site do evento.

 

linha

PROJETO CURTA CINEMA – 09 a 11 de março de 2015

Publicado em 03/01/2016

TRAMAD participa da edição 2015 do Projeto Curta Cinema, do Centro Cultural Vereador Manuel Querino, da Câmara Municipal de Salvador. Sandra Farias foi palestrante na mesa Curta Cinema – Mostra Democratizando, com o tema: Cinema, Educação e Acessibilidade.

 

linha

N IMAGENS – 24 a 27 de fevereiro de 2015

Publicado em 03/01/2016

TRAMAD marca presença no Seminário N IMAGENS – Formação em Acessibilidade para o Audiovisual, ocorrido entre os dias 24 e 27 de fevereiro na Biblioteca Pública da Bahia. Manoela da Silva e Sandra Farias foram convidadas a participar do Painel 1: A poética da Acessibilidade – Recursos Adaptativos Ao Audiovisual.Para conferir as falas de ambas basta acessar: https://seminarionimagens.wordpress.com/

 

linha

TRAMAD recebe prêmio Hors Concours 2015

Publicado em 21/07/2015
Entrega do prêmio Hors Concours 2015 para o TRAMAD.

Festival Ver Ouvindo em Recife-PE.

 

linha

Mostra TRAMAD 10 Anos

Publicado em 13/11/2014

Em comemoração aos dez anos do grupo TRAMAD – Tradução, Mídia e Audiodescrição, grupo do Instituto de Letras da UFBa pioneiro no estudo acerca da audiodescrição no Brasil, será realizada uma mostra de curtas acessíveis, além de pesquisas e uma mesa-redonda sobre acessibilidade na primeira semana de dezembro.

Os curtas, que fazem parte do acervo de trabalhos do grupo, contarão com audiodescrição para deficientes visuais e legenda fechada para surdos.

Os filmes serão exibidos na Sala de Arte da UFBa, na Sala Alexandre Robatto e no teatro da UNEB. A entrada é franca e, logo após a exibição dos curtas, a plateia poderá participar de um bate-papo com integrantes do TRAMAD.

Durante a Mostra, além dos curtas, os interessados também poderão conhecer um pouco da trajetória do grupo, as pesquisas realizadas e em andamento, e discutir a questão da acessibilidade de forma mais abrangente.

Jaciete Barbosa dos Santos

Como tem se constituído as trajetórias de estudantes com deficiência incluídos no contexto universitário? Em que medida estas trajetórias apresentam marcas do preconceito, traduzida pela discriminação social sob a forma de marginalização e/ou segregação no âmbito da formação universitária? Quais as estratégias de enfrentamento utilizadas por estudantes com deficiência na universidade? O objetivo principal da nossa comunicação é apresentar uma reflexão sobre as trajetórias de universitários com deficiência para identificar possíveis marcas de preconceito, traduzidas pela discriminação social que predispõe indivíduos a segregação e/ou marginalização no Ensino Superior. A universidade assume o papel, na sociedade, de sustentar e/ou confrontar pensamentos instituídos culturalmente. Na análise das trajetórias de estudantes com deficiência, incluídos na universidade, foi possível identificar em nossa investigação realizada durante estudos de doutorado no PPGEduC (2009-2012), intensas manifestações de preconceito determinadas por processos internos e externos à instituição que produzem condições desfavoráveis à formação de qualquer estudante, com ou sem deficiência. Embora tenham sido observadas algumas ações pontuais de docentes, gestores, colegas e funcionários direcionada a inclusão educacional na universidade, os resultados da pesquisa apontaram predominância, quase absoluta, da invisibilidade institucional em relação às pessoas com deficiência, evidenciada tanto na ausência de serviços e/ou suporte de acessibilidade quanto na presença de barreiras atitudinais, principalmente a do preconceito presente nas relações interpessoais de sala de aula. De modo geral a pesquisa evidenciou que, apesar dos indivíduos produzirem, no contexto acadêmico, discursos, pesquisas e teorias de defesa à inclusão educacional, a formação, na cultura universitária, carece de fomentar práticas de acolhimento à diversidade humana para contrapor-se ao preconceito, sobretudo, manifestado em relação à condição de deficiência.

 

linha

Jorge Amado e Universal com AD

Publicado em 13/09/2012

A exposição Jorge Amado e Universal acontece no MAM-Bahia até 14/10/2012. As visitas guiadas com audiodescrição, promovidas pelo Grupo TRAMAD, acontecerão às terças e quintas e aos sábados do mês de outubro, das 16hs às 18hs, e são dirigidas ao público com deficiência visual e intelectual. Para mais informações, veja bahiamam.org/?p=5434

 

linha

Oficina de Audiodescrição no IMA em agosto 2012

Publicado em 13/09/2012

A oficina de audiodescrição “Audiodescrição por Nós Mesmos” foi ministrada pela Profa. Eliana P. C. Franco no Cineclube do Instituto Marlin Azul (IMA), em Vitória (ES), nos dias 24 e 25/08, para alunos do Ponto de Cultura Animazul e deficientes visuais do projeto Arte Sem Limites.

O projeto, proposto pela animadora Marinéia Anatório, integrante do Núcleo Animazul , foi selecionado em 2012 por meio de Edital Núcleo de Criação, promovido pelo Rede Cultura Jovem da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), com patrocínio do Instituto Sincades, e a parceria do Instituto Marlin Azul, do Projeto Arte sem Limites e do Instituto Galpão.

A iniciativa resultou na aplicação da audiodescrição em dois curtas-metragens capixabas de animação: “As Curvas de Niemeyer”, dirigido por 150 alunos de ensino fundamental da Rede Municipal de Educação de Vitória, e “Aventuras e Movimentos”, dirigido por alunos do projeto Arte sem Limites.

Inscrições: www.animazul.org.br

Mais informações:
Assessoria de Comunicação Instituto Marlin Azul
Simony Leite Siqueira (27) 9721-7395
Marialina Antolini (27)8123-8545
(27)3327-5009/3327-6999

 

linha

PALESTRA NO MAM – BA

Publicado em 15/08/2012

A profa. Eliana Franco estará no MAM-BA no dia 17/08/2012, às 15hs, para falar sobre “Acessibilidade nas artes visuais e audiovisuais”. Maiores informações, visite o site do MAM bahiamam.org/?p=5434 .

 

linha

Curso de introdução à Audiodescrição na USP

Publicado em 04/09/2011

Ministrante(s):

Eliana Paes Cardoso Franco.

Pré-Requisito:

É necessário ótimo nível de português e o mínimo de conhecimento sobre a linguagem audiovisual.

Objetivo:

O principal objetivo do curso introdutório à formação de audiodescritores é fornecer conhecimento teórico e prático sobre a audiodescrição, definida dentro dos Estudos de Tradução como um modo de tradução audiovisual intersemiótica que se caracteriza pela descrição em áudio – ao vivo, simultânea ou pré-gravada – das imagens de um produto audiovisual (ex. filme de cinema, programa de tv ou peça teatral) entre as falas originais do produto, com vistas a proporcionar o completo acesso de pessoas com qualquer tipo ou grau de deficiência visual ou cognitiva ao produto audiovisual. Este conhecimento básico refere-se, principalmente, às estratégias estabelecidas por audiodescritores dos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e Espanha, pioneiros no cumprimento da norma de acessibilidade, e Brasil, que já está criando suas próprias normas de audiodescrição. Essas estratégias, assim como estratégias tradutórias, podem ser resumidas em: percepção do “o quê” e “como” audiodescrever, preparação do roteiro da audiodescrição simultânea e pré-gravada para diferentes produtos audiovisuais, técnicas de uso de tempo, ensaio para gravação e técnicas vocais.

Programa:

A parte teórica discutirá os seguintes tópicos:
– Apresentação
– Definição e tipos de audiodescrição
– Legislação
– Pesquisa e bibliografia na área
– Regras estrangeiras e brasileiras sobre e para audiodescrição
– Padrão de roteiro para cinema e TV (filmes, comerciais, novelas, etc, todos pré-gravados)
– Padrão de roteiro para teatro (peças e espetáculos de dança)

Na parte prática serão desenvolvidas as seguintes atividades:
– Uso de programa para marcação (timing) de entrada e saída da audiodescrição
– Produção de roteiros para clipes de filme, comercial, peça de teatro e espetáculo de dança
– Técnicas vocais para a locução da audiodescrição e revisão dos roteiros produzidos
– Apresentação e discussão dos roteiros produzidos (se possível, pessoas com deficiência visual serão convidadas para avaliar, junto com o grupo, os roteiros produzidos)
– Finalização do curso

Importante:
Os participantes poderão trazer seus notebooks, caso os tenham, para trabalho em sala de aula.
Todos devem trazer um pendrive para copiar o material a a ser usado

Carga horária:

18.00Horas

Vagas:

• máximo: 30 alunos
• mínimo: 20 alunos

Certificado/Critério de Aprovação:

Para fazer jus ao certificado de extensão o aluno precisa ter o mínimo de 85% de frequência.

Coordenação:

Profa. Dra. Tinka Reichmann, da FFLCH/USP.

Vice-Coordenação:

Profa. Dra. John Milton, da FFLCH/USP.

Promoção:

Centro Interdepartamental de Tradução e Terminologia, da FFLCH/USP.

PERÍODO(S), HORÁRIO(S) E LOCAL DO CURSO/EVENTO
Início e fim:
11/10/2011 – 25/10/2011
Horário:
Terça, Quarta e Quinta-feira, das 14:00 às 17:00.
Local:
Prédio de Letras. Av. Prof. Luciano Gualberto, 403 – Sala a definir – Butantã – SP.

Atendimento

Prédio de Administração da FFLCH/USP
Rua do Lago, 717 – sala 126
Cid. Universitária – Butantã
05508-080 – São Paulo – SP
Telefone 11 3091-4645
Segunda a Sexta
das 9:00 às 11:30 e das 13:00 às 16:30

 

linha

Tradução Automática e linguagem de sinais.

Publicado em 04/06/2011

Engenheiros japoneses da NHK acabam de anunciar uma nova ferramenta para o fornecimento de notícias ao público surdo.   O sistema consiste em um tradutor que transpõem o texto em japonês para a linguagem de sinais automaticamente, através de animações.  O único porém da nova ferramenta é que, apesar de compreensíveis, algumas traduções ainda não se encontram fluentes por completo, o que faz com que os pesquisadores tenham de ajustar manualmente algumas transições entre palavras.  O objetivo principal dessa tecnologia é criar um sistema que possa ser usado em emergências ou desastres naturais, de modo que os cidadãos surdos possam receber informações urgentes ao mesmo tempo que qualquer outra pessoa.

Assista o vídeo da nova ferramenta

 

linha
Page 2 of 3«123»